Despiste-me o preconceito.
Olhaste, cuidaste de mim.
Homem de corpo imperfeito,
Não me viste assim.
Tiraste teus tecidos rasgados
Até ao fim.

Deste-me de ti,
Num quarto a meia luz,
Cheia de sonhos expostos ali,
Perante dois corpos nus,
Descomplexados,
Preparados para o natural,
Atuar numa cama quente.
Para ti, fui normal!
Não te fui indiferente.

Ninho de carinhos,
Gemidos,
Odores, cores e sabores,
Prazeres ocultos, destemidos.
Gestos bruscos e sedutores,
Forças vindas de nós,
Da tua essência feroz,
Mulher feliz, felina.
Da tua voz.

Sentia que vinhas.
Viemos-nos!
Um para o outro,
Naqueles instantes infinitos,
Devaneios de um coito,
Suores, sorrisos bonitos,
De ti, beleza de mulher.
Movimentos de loucuras,
Tuas, fada de desejos.
Fico com os últimos beijos.

Possuímos-nos.
Despidos de preconceitos
Nessa minha primeira vez.
Longos quarenta feitos.
Amei-te Ana de altivez,
Ser que sonhos me satisfez.

Ficas doce e meiga nas linhas da minha vida!