“orbituário em lambiência maior”, o livro mais recente de Bruno Miguel Resende, é tema da primeira sessão de um ciclo de reflexão que se pretende seja pontuado com a apresentação de obras de vários autores. Antecedida de uma pequena explanação feita por Carlos Vinagre, esta iniciativa será em seguida aberta à voz de todos os que queiram tomar a palavra.

Além de Bruno Miguel Resende e Carlos Vinagre espera-se a participação de Pedro Monteiro e Virgilio Liquito,

Evento decorre na próxima sexta-feira, 4 de julho, às 22 horas, no Auditório Nascente (rua 12, nº 1200, Espinho). A organização está a encargo da Nascente – Cooperativa de Acção Cultural e do Centro Hermenêutico Debalde.

orbituariocapaespécie: ensaios hermenâuticos
editora: edições debalde

Este novo de Bruno Miguel Resende é um continente de grécias falantes, sem, em portuguesas letras, se debaldar em relógios falantes á la F M Melo. Está uma edição Debalde que colabora com Diógenes ou com a livre selva pensamental de Jarry, nomeando as reiteradas rugas do contemporâneo e a nova fuga para o Egipto, sem invasão de moeda. Há, por ali, incluindo a capa, um peixe que talvez corresponda à antiga “chave” com que os leitores do renassenso tecnificavam as fístulas.
A imbuição deu-se num jovem bairro do porto, onde se faz ramolde com as crianças, e onde a vénus de milão assessora os devires ocultos à entrada do cemitério. “Vem por aqui” sugerem os coveiros de saber poético. Este orbituário calcifica os pequenos prazeres ainda não impostados, os pequenos hobbies, o hobbytuário.

– Alberto Augusto Miranda